Falta de Memória

19-11-2011 12:47

 

Mais um ex-politico, a contas com a justiça portuguesa, curiosamente mais um das fileiras do PSD, e por mera coincidência mais um que fez parte do núcleo duro dos governos do Aníbal.

Não deixa de ser curiosa a apetência da justiça, para conjugar o ritmo de determinadas investigações que impliquem titulares de cargos políticos, incidindo estas com os períodos em que os partidos a que pertencem, exercem mandatos governativos.

Foi assim com o FREEPORT, cujos ritmos investigatórios eram curiosamente coincidentes com os períodos eleitorais, renascendo e tomando novo fôlego sempre que havia eleições, foi assim com o PORTUCALE, e será assim com o "PROCESSO dos SUBMARINOS", que por enquanto se mantêm em banho-maria.

Infelizmente esta tem sido quase sempre a regra, nos moldes de investigação da nossa justiça, sempre que estão envolvidos políticos.

Domingos Duarte Lima, é mais um entre muitos, que viu na carreira política uma catapulta, que lhe permitiu alcançar os meios económicos e a posição social, que dificilmente atingiria se se limitasse a exercer simplesmente a sua actividade profissional, sendo esta a prática comum entre os seus pares, Lima foi ao que parece mais longe nos meios utilizados, para atingir os fins a que se propunha, refiro-me concretamente ao caso “Rosalina”, com tramas surrealistas próprias dos melhores filmes policiais.

Mas o que aparentemente tramou o “pobre” Lima foram os “rabos presos” que tem no processo BPN, que tem funcionado como uma caixinha surpresa, que cada vez que é aberta, salta lá de dentro mais um ex-qualquer coisa dos governos do agora “sábio de Belém”.

Pessoalmente não me considero alguém com um grande número de amigos, na plena ascensão do significado desta palavra, mas aqueles que tenho teriam certamente uma postura distinta daquela, que variadíssimas personagens frequentadores da casa e das sumptuosas festas dadas pelo gestor de fortunas, agora caído em desgraça têm demonstrado.

A ostracização a que os amigos do Lima o têm sujeitado, chega a ser triste, ainda ontem foi com completo espanto que vi aquele," que para sermos mais sérios do que ele, teríamos que nascer duas vezes", fazer um grande esforço de memória para recordar qual a última vez, em que havia estado num mesmo espaço que o seu ex-ministro, pobre Aníbal aquela memoria já não é o que era. Alguém diga ao Aníbal que existem comprimidos para a memória, e assim não corre o risco de não se recordar das pessoas.

Uma ultima palavra para as fugas de informação, estou de acordo com o PGR, mas por motivos distintos, a mim ao contrário do doutor Pinto Monteiro, não me preocupa a presença dos jornalistas, á porta do Duarte Lima a aguardar a chegada da judiciaria, o que me preocupa é o facto do Duarte Lima, pelo facto de ser previamente avisado, poder fazer desaparecer provas, ou até mesmo fugir, como por exemplo fez a dona Fátima Felgueiras, sobre a qual nunca se conclui de onde partiu a informação que a pôs em fuga para o Brasil.

facebok