Mais Erva

24-09-2011 13:43

 

Pois é isto de andar a passear nos prados da ilha graciosa tem os seus custos, ao que parece a tal erva, para além de fazer rir as vacas, provoca um efeito duradouro na alienação da realidade sobre algumas pessoas.

Vitima desta alienação, aquele que em tempos nunca teve dúvidas e raramente se enganava, após a visita á ilha graciosa, começou a aparvalhar ainda mais do que já lhe é habitual, ao ponto de sugerir aos portugueses, que consumam produtos nacionais para reduzir os sacrifícios. Mas a que produtos, se estava a referir a criatura, aqueles que sendo provenientes de regiões demarcadas, que pelo seu preço naturalmente elevado, destinam-se em absoluto á exportação, e aos quais o comum do cidadão português não tem acesso.

Será que a ilustre criatura, já se deu ao trabalho de junto dos pontos de venda dos grandes distribuidores, verificar a quantidade de produtos de origem portuguesa e o seu preço, quantos de nós não tentamos já comprar fruta nacional nos hipermercados e simplesmente não existe, ou se existe é a um preço mais elevado que outras provenientes de latitudes longínquas e logicamente a menos que estejamos sobre o efeito de qualquer erva optarão pela mais barata.

Afirmações de que todos os portugueses, ficam a ganhar com o consumo de produtos nacionais, são politicamente correctas e soam bem, mas se as mesmas forem proferidas pela boca daquele que durante os dez anos, em que foi Primeiro-ministro, governou no sentido de desmantelar a produção agrícola nacional, promovendo o abandono de terras férteis em troca de alguns euros, ao mesmo tempo que abria o mercado aos produtos espanhóis, bem como destruiu a frota de pesca, tais afirmações só são compreensíveis se a criatura, estiver efectivamente sob o efeito de erva e da boa.

Aliás tenho sérias dúvidas, de que os açorianos tenham algo a ganhar com este périplo do mais alto magistrado da nação, por algumas ilhas do arquipélago, em que é que a deslocação da criatura e a sua comitiva de cerca de cinquenta pessoas contribuiu para a melhoria da vida daqueles portugueses.

Por outro lado, quanto é que terá custado ao estado os dois aviões da força aérea e toda a logística necessária para estes dias de turismo sénior, deixo aqui uma sugestão inscrevam-se como sócios do Inatel, esta instituição costuma organizar passeios para reformados a custos muito razoáveis.

facebok